JB Drummond

Palavras ao Vento. Resolutas, Destemidas.

Textos

Esta noite... uma canção!!!
Esta noite, vou sair pela cidade,
Sem rumo, sem hora, sem razão
Vou cantar minha saudade
Um poeta, um luar, um violão.

Vou compor uma canção.
Sob um céu de estrelas candentes
Cantarei palavras ardentes
Chorarei minha paixão.

Avançarei pela madrugada,
sombras... Duvidas... Verdades
Farão coro às minhas saudades
Pássaros da noite em revoada.

Um céu, hora calmo e contido,
Reagindo aos meus queixumes,
Cego de paixão e ciúmes,
Cúmplice... Soluçará comigo.

Na trilha de passos errantes,
Milhares de vaga-lumes ao relento
Iluminando as cordas sussurrantes,
Que vibram ao acorde sonolento.

O vento em rajadas geladas,
Vasculhando a cidade escura,
Buscando sua quadra, sua rua,
Revoada de sombras aladas.

Cada palavra com corpo e alma,
Fadas, Elfos, sombras flutuantes,
Ao contraste de luzes vacilantes,
Levadas ao vento em noite calma.

Uma canção perdida na noite,
Buscando uma janela solitária,
Cobrando como fiel depositária,
A fatura do meu pernoite.

E você plácida... inocente,
Passageira da nau dos sonhos,
Alheia aos meus versos bisonhos,
Alheia ao meu canto demente.

Mesmo assim eu canto... E canto,
Caminhando pela noite escura,
Um poema em cada rua,
Para quebrar este encanto.


João Drummond
Enviado por João Drummond em 11/02/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras