JB Drummond

Palavras ao Vento. Resolutas, Destemidas.

Textos

Sete Lagoas - A rainha do sertão
Lagoas refletindo a luz da lua.
Entre serras, o sertão te viu nascer.
À noite um cruzeiro que flutua.
Sete jóias, a nação te viu crescer.

Eu canto esta terra e seus valores,
De trabalho, progresso, e tradição.
Sua gente, sua luta, seus amores,
Pulsando num só coração.

Quando o sol se põe na trilha,
Bandos alados em revoada,
Sobre uma lagoa que brilha,
Ao repique da viola apaixonada.

Terra de lagos encantados,
Talvez na boca de um vulcão.
Soberana de súditos alados.
Reina altiva a rainha do sertão.

De vocação progressista,
Moderna, vistosa, vibrante.
Industrial, anfitriã, futurista,
Empreendedora, estudante.


Das fazendas e seus pastos,
O progresso em outra esteira.
Como mãe de seios bastos,
Floresce a indústria leiteira.

O gusa em caldeiras ardentes,
Alimentando a prosperidade.
A indústria de ferros candentes
Pulsando o coração da cidade.

Das Bandeiras, cortando a terra,
Vapabuçu, a golpes de facão,
À cidade que o futuro encerra.
Sete Lagoas, Rainha do sertão.



João Drummond
Enviado por João Drummond em 11/02/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras